Início » Produtos » Máquinas de Solda TIG » Máquinas de Solda TIG AC DC » Máquina Solda inv TIG 200 pulsada AC/DC

  • Máquina Solda inv TIG 200 pulsada AC/DC
  • Máquina Solda inv TIG 200 pulsada AC/DC

COD:
004178

Máquina Solda inv TIG 200 pulsada AC/DC

Na retirada do equipamento, o cliente receberá treinamento operacional que orienta o uso do equipamento e os procedimentos para as soldas a serem aplicadas pelo usuário.

Imprimir Orçar

Especificações

Dados Técnicos:
– Solda Processo TIG AC/DC (Alumínio, Aço, Carbono e Inox)
– Tecnologia IGBT
– Recurso de Programação para Arco Pulsado
– Rampa de Subida/Descida
– Ajuste de Frequência de Pulso
– 2T4T
– Display Digital
– Pré e Pós Gás
– Com Proteção Térmica

Recursos Adicionais:
– Arc-Force – Aumenta a Corrente para Evitar uma Má Soldagem Quando o Eletrodo Entra em Contato com a Superfície Metálica,
– AntiStick – Permite que Você Facilmente Afaste o seu Eletrodo sem Danificar a Peça de Trabalho,
– Hot Start – Aumenta a Corrente no Começo da Soldagem,
– Lift Arc – Abertura Suave do Arco,
– Alta Frequência,

Acompanha:
– Tocha Tig, Porta Eletrodo e Garra Negativa

PESO (KG) – 7,600

CORRENTE (A) – 200

TENSÃO (V) – 220

POTÊNCIA MÁXIMA NOMIAL (KVA) – 5,3 / 3,5

DIMENSÕES AXLXP (MM) – 410x165x210

CICLO DE TRABALHO TIG – 60% 200A 25Cº

 

Máquinas de Solda TIG ac/dc para soldagem de alumínio, inox e ferro carbono. Solda sempre com gas argônio. Solda de alta qualidade. Em Porto Alegre fica nossa loja, onde você sempre irá encontrar suporte e assistência. O processo TIG (Tungsten Inert Gas) se caracteriza por um arco voltaico estabelecido entre um eletrodo de tungstênio, dito não-consumível, e a peça a ser soldada, o que em alguns casos permite a soldagem de chapas metálicas finas (abaixo de 3 mm) sem utilização de metal de adição. Metais ferrosos, tais como o aço inoxidável, são soldados na condição CC- (corrente contínua e eletrodo conectado ao terminal negativo da fonte de soldagem). Nesta condição, a corrente é conduzida através do plasma, parcialmente por íons e principalmente por elétrons que são emitidos a partir do eletrodo de tungstênio (cátodo) [1]. O tungstênio é um metal que pode atingir temperaturas extremamente altas em sua superfície, o que permite que estes elétrons sejam emitidos por efeito termiônico quando a energia acumulada supera um dado valor necessário (relacionada com a função-trabalho do material) [2]. Quando emitindo elétrons termionicamente, a mancha catódica (onde os mecanismos de emissão ocorrem) localizada na ponta do eletrodo de tungstênio apresenta uma densidade de corrente que, segundo Lancaster [3], deve estar entre 106 e 108 A/m2. A Equação (1), conhecida como equação de Richardson-Dushman, mostra que maiores densidades de corrente são atingidas quanto maior for a temperatura do cátodo e menor a sua função-trabalho. Portanto, quanto mais alta a temperatura que o cátodo pode atingir, mais fácil atingirá a faixa de densidade de corrente característica da emissão termiônica.

Solenge Soldas

× Fale via Whats